Dos 34 partidos, apenas nove destinaram ao menos 30% de verbas às candidatas a deputada federal em São Paulo

Ligado .

Levantamento do Ministério Público Eleitoral também aponta que há concentração de distribuição de recursos a pequeno número de candidaturas

O Ministério Público Eleitoral em São Paulo realizou um levantamento que demonstra que apenas nove partidos políticos utilizaram ao menos 30% de todas as verbas partidárias (fundo partidário e eleitoral) destinadas às campanhas de deputado federal para financiar as candidaturas femininas no estado. A destinação de 30% dos recursos do partido a candidatas mulheres é uma determinação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Os dados, compilados até quarta-feira (3/10), mostram um retrato do momento atual da campanha, às vésperas do primeiro turno, a partir de informações que os próprios partidos repassam ao TSE. O levantamento permite ver não apenas se as legendas estão destinando verbas para as candidaturas proporcionais, mas também qual o nível de concentração do dinheiro e qual o percentual de candidaturas que não recebeu nenhum recurso – o que pode indicar candidaturas fraudulentas.

Além dessa informação, é possível ter um indício de como é a concentração da distribuição de recursos nos mais diferentes partidos. Isso a partir da porcentagem de candidaturas femininas que não receberam nenhuma verba. Há partidos, por exemplo, que usaram cerca de 50% do dinheiro em candidaturas femininas, mas que tem mais de 80% de candidatas sem verba alguma. Apenas nove partidos não têm candidatura que não recebeu nenhum recurso, de acordo com os dados levantados junto ao TSE.

O levantamento é feito levando em consideração a transferência de recursos dos partidos para as candidaturas, tanto em financiamento direto – transferência de recurso – quanto em serviços de valor estimável.

O MP Eleitoral vem ouvindo candidatas, com o objetivo de apurar a real situação das campanhas proporcionais. Apesar de os partidos poderem fazer ajustes nas prestações de conta até novembro, o levantamento feito no dia a dia da campanha permite ter um retrato mais fiel de como é feito o investimento dos partidos nas candidaturas femininas. Os dados se somam às informações trazidas pelas próprias candidatas sobre quais são os obstáculos enfrentados por essas candidaturas.

O trabalho está sendo coordenado pela promotora de Justiça Vera Lúcia Taberti, que foi designada a atuar na Procuradoria Regional Eleitoral de São Paulo (PRE-SP) nas eleições 2018, em portaria conjunta da procuradora-geral da República e do procurador-geral de Justiça de São Paulo.

A tabela com o ranking dos partidos pode ser consultada abaixo.

tabela partidos imagem

 

Notícias relacionadas: